Logotipo Created with Sketch.
Educador Nota 10

Educadores Nota 10 de 2016

Conheça os vencedores e os projetos da 19ª edição do Prêmio

Carlos Eduardo Canani

<span>–</span>

(Edu Lyra/Nova Escola)

Língua Portuguesa/Fundamental II
Por um fio de memória
EMEB Suzana Albino França
Lages, SC

O professor notou que seus alunos não tinham o hábito de planejar textos e apresentavam pouca familiaridade com as estratégias de revisão. Além disso, chamou sua atenção a visão negativa que os adolescentes tinham da velhice e das narrativas contadas pelos mais velhos. Para que os estudantes pudessem atribuir novos significados a essa etapa de vida e às histórias narradas pelos avós, ele optou por trabalhar o gênero memórias literárias. Dessa forma, estimulou os alunos a criar e editar textos e, de quebra, os levou a valorizar as experiências dos mais velhos. Saiba mais sobre o projeto.

Débora Gomes Gonçalves

Língua Portuguesa / Alfabetização
Tartarugas Marinhas
EM João Francisco dos Santos
Mata de São João, BA

Para criar boas situações de leitura e de escrita para os alunos de 2º ano se alfabetizarem melhor, a professora orientou a pesquisa em textos informativos relacionados às tartarugas marinhas. O objeto de estudo foi escolhido para aprofundar a relação das crianças com o Projeto Tamar, que se encontra dentro do município e emprega alguns pais da comunidade escolar.  A partir do trabalho, os alunos de Débora passaram a admirar com outros olhos esses animais marinhos presentes em seu dia a dia. Saiba mais sobre o projeto.

Fabio Augusto Machado

Geografia
A construção da identidade
EMEF Professora Marili Dias
São Paulo, SP

Em uma realidade de desvalorização do jovem da periferia, o trabalho constrói um percurso a partir da questão “Quem sou eu” e utiliza as múltiplas linguagens da Geografia: produções textuais, fotografia, música, vídeos, representações espaciais.  A ideia do protagonismo e da autoria é trabalhada ao longo de todo projeto e permite aos alunos descobrirem suas múltiplas identidades e criatividade.  Assim, com liberdade de reflexão e versos de rap, os estudantes de Morro Doce, em São Paulo, construíram sua identidade a partir do lugar onde vivem e lançaram seu olhar crítico sobre o mundo globalizado, rejeitando “rótulos”. Saiba mais sobre o projeto.

Greiton Toledo de Azevedo

Matemática / Fundamental II
Matemática e games? Eis a questão!
EM Irmã Catarina Jardim Miranda
Senador Canedo, GO


O Mattics (nome dado ao projeto) nasceu de uma necessidade de atender os estudantes que apresentavam dificuldade em Matemática e também para incentivar aqueles que apresentavam bons rendimentos. Foi idealizado não somente para satisfazer o gosto dos estudantes pelos jogos digitais (que foram desafiados a criar usando o software Scratch), ou para prepará-los a seguir uma carreira profissional como programadores, mas para incentivá-los, por meio das tecnologias e das atividades colaborativas, a pensar e a expressar suas ideias matemáticas de forma crítica. Saiba mais sobre o projeto.

Karin Gröner

<span>–</span>

(Raoni Maddalena/Nova Escola)

Língua Portuguesa / Fundamental I
Leitura Dramática
EE Professor Fernando Brasil
Curupá, SP

Um número elevado de crianças do 5º ano apresentava grande dificuldade na interpretação de textos. Após toda a preparação para a realização de uma leitura dramática, registrada em CD para a biblioteca da escola, que foi gravada na rádio local, houve uma significativa melhora da fluência leitora dos alunos, considerando que a leitura fluente não é apenas a capacidade de ler com agilidade, mas sobretudo a de alcançar a compreensão do texto. Além disso, soltar a voz na rádio também contribuiu para dar confiança aos alunos. Saiba mais sobre o projeto.

Luiz Weymilawa Surui

<span>–</span>

(Marcus Mesquita/Nova Escola)

Geografia
Lap Gup: Nossa Casa, nosso lar
EIEFM Sertanista José do Carmo Santana
Cacoal, RO

O professor intencionou que a turma superasse, por meio do estudo da casa Lap Gup, alguns preconceitos relativos ao saber do seu povo. Além disso, na escola, quis mostrar novas alternativas de sobrevivência e preservação do etnoconhecimento do Povo Paiter. Fundamentado na concepção geográfica do lugar como pertencimento e territorialidade, conseguiu fortalecer a identidade indígena ensinando sobre elementos da cultura material como a construção da casa e seus artefatos. Lap Gup é uma casa especial, cujo conhecimento sobre sua arquitetura é dos mais velhos. Aprender sobre essa casa é entender o lugar e os saberes Paiter. Esse é um conhecimento ancestral das tradições indígenas importante para alunos indígenas e não indígenas, já que a casa é expressão do pertencimento.  Saiba mais sobre o projeto.

Marilei Chableski

<span>–</span>

(Edu Lyra/Nova Escola)

Educação Infantil – Creche
Pé com café
CEI Adhemar Garcia
Joinville, SC

Marilei organizou ambientes, atividades e experiências que consideram as características individuais das crianças e as expectativas das famílias na chegada à Educação Infantil. O objetivo era fazer com que os bebês se sentissem acolhidos, desenvolvessem relações de afeto e confiança com os adultos do CEI e também com as outras crianças. Com relação às famílias, também havia a expectativa de que fossem bem recebidas e de que participassem realmente da rotina da creche. Saiba mais sobre o projeto.

Rodrigo Froés

<span>–</span>

(Joel Rosa/Nova Escola)

Gestor – Diretor / Fundamental II
Escola de Qualidade, Responsabilidade de Todos
EM Antônio Matias Fernandes
Manaus, AM

A EM Antônio Matias Fernandes, situada em área vermelha da cidade de Manaus, com taxas de criminalidade alarmantes, necessitava de mudanças urgentes. Alguns dos sintomas eram os altos índices de evasão e a ameaça de fechamento da Educação de Jovens e Adultos (EJA). De forma intensiva e persistente, o novo diretor fez um levantamento das necessidades da escola e dialogou com todos os setores com a intenção de valorizar o potencial de cada funcionário, aluno e familiar. O objetivo era melhorar a infraestrutura e motivar a equipe pedagógica, para aprimorar a qualidade das ações ali realizadas. Ao articular com habilidade os saberes de funcionários, professores, pais e alunos e envolvê-los na busca de soluções, o jovem gestor transformou uma escola em plena região de criminalidade. Saiba mais sobre o projeto.

Selene Coletti

<span>–</span>

(Alexandre Battibugli/Nova Escola)

Matemática / Fundamental I
Mapas do tesouro que são um tesouro
EMEB Coronel Francisco Rodrigues Barbosa
Itatiba, SP

O objetivo de Selene era contribuir para a construção da noção de espaço, aprimorando os conceitos de lateralidade, pontos de referência e representações gráficas de percursos. Isso inclui aprender sobre a localização de pessoas e objetos no espaço, fazer a comunicação e a interpretação de deslocamentos e trajetos por meio de desenhos e instruções orais ou escritas. A proposta aos alunos foi planejar e desenhar um mapa do tesouro. Para dominar os segredos dessa prática, as crianças experimentaram jogos de percurso, analisaram e detalharam com cuidado as próprias produções. Saiba mais sobre o projeto.

Wemerson da Silva Nogueira - Educador do Ano 2016

<span>–</span>

(Diana Abreu/Nova Escola)

Ciências / Fundamental II
Filtrando as lágrimas do Rio Doce
EEEFM Antônio dos Santos Neves
Boa Esperança, ES

O estudo da tabela periódica, de difícil compreensão e nada atraente, necessitava de outra abordagem didática. Dessa forma, o professor escolheu partir do fato ambiental – a contaminação pela lama –, e da análise química da água para abordar os elementos da tabela de forma contextualizada. O outro objetivo era levar os estudantes a terem uma visão diferente da pesquisa científica e a pensarem na comunidade ribeirinha de forma a intervir positivamente frente à situação presenciada. Na postura de jovens pesquisadores, os alunos de Wemerson analisaram as condições das águas, apreenderam a tabela periódica de um jeito inovador e encontraram soluções práticas para melhorar a qualidade de vida dos ribeirinhos. Saiba mais sobre o projeto.