Logotipo Created with Sketch.

Rosely Marchetti Honório

Confira aqui mais informações sobre o trabalho.

Educadora Nota 10

2017

 (Ricardo Matsukawa/Veja.com)

Ela combateu o preconceito contra os migrantes

Para vencer a intolerância a alunos filhos de estrangeiros, Rosely guiou uma reflexão sobre história e família 

Educador Nota 10: Rosely Marchetti Honório
EMEF Infante Dom Henrique
São Paulo, SP
História
6º ano

Projeto: O migrante mora em minha casa
Número de alunos: 60
Duração do trabalho: 4 meses

Resumo do projeto:
O Canindé, na região central de São Paulo, abriga um dos maiores pólos da indústria de confecções do país, que emprega mão de obra imigrante em situação precária. Ali, em uma escola do bairro, a professora Rosely observou preconceito entre os colegas, principalmente contra os bolivianos, e resolveu entrelaçar conteúdos históricos com a vida dos estudantes, descendentes de migrantes e imigrantes. Depois de entrevistar suas famílias, aprender sobre racismo em várias épocas e encontrar confecções irregulares em um estudo de meio, os alunos foram sensibilizados para uma ação de combate ao trabalho escravo na região.

Por que o trabalho foi premiado?
“O planejamento da professora entrelaçou conteúdos históricos como migração, imigração, trabalho e trabalho escravo, com problemáticas locais que afetam a vida dos estudantes. Rosely foi sensível ao notar os preconceitos em relação aos próprios colegas e às pessoas do bairro e propôs atividades para eles entenderem que também suas famílias são migrantes. Ao partir dessas histórias familiares, colocou os alunos dentro do problema de estudo. E, ao estudar preconceitos, discriminações e racismos em diferentes contextos levou-os a perceber que essa é uma questão histórica da humanidade. Diversificando as fontes de informação, ela promoveu estudos por meio de textos históricos, vídeos, literatura, estudos de campo, entrevistas. Ao focar o bairro, onde existem confecções com trabalho escravo, ela comparou e diferenciou a escravidão no passado e no presente. E, ao debater os convívios sociais e os preconceitos, sensibilizou para ações de intervenção e de mudança da realidade.”
Antonia Terra de Calazans Fernandes é doutora em História Social, professora de História da Universidade de São Paulo (USP) e selecionadora do Prêmio Educador Nota 10